Pesquisa Saúde
              
Projeto em PDF        
  Avaliação do uso de medicamentos em casos de Leishmaniose visceral: uma abordagem farmacoepidemiológica, Campo Grande/MS
 UF: MS
 ANO: 2005
 MODALIDADE DE  FOMENTO: Fomento Nacional
 EDITAL: Assistência Farmacêutica
 SUBAGENDA: Assistência Farmacêutica
 TRANSVERSALIDADE: Doenças Transmissíveis
 COORDENADOR: Patricia Maria Fonseca Escalda  /  Lattes
 E-MAIL: patescalda@yahoo.com.br; maitemonreal@gmail.com 
 INSTITUIÇÃO: UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul  
 VALOR TOTAL: R$ 8.000,00 
 RESUMO:
O medicamento representa um dos itens mais importantes da atenção à saúde, quando utilizado adequadamente, podendo aumentar a expectativa de vida, erradicar certas doenças, como trazer benefícios sociais e econômicos. O tratamento da Leishmaniose visceral exige muita perícia e acompanhamento por parte da equipe de saúde, uma vez que os medicamentos utilizados podem trazer sérios riscos aos pacientes. Assim este estudo objetiva avaliar o uso de medicamentos em casos tratados de Leishmaniose visceral. Este estudo será realizado no Núcleo do Hospital Universitário da UFMS, e caracteriza-se por estudo transversal retrospectivo. Em relação aos resultados, após desenvolvimento do projeto de pesquisa espera-se identificar o perfil de prescrição nos casos de Leishmaniose visceral e levantamento de problemas relacionados ao uso de medicamentos nestes pacientes, para propor adequação às normas e condutas estabelecidas pelo Ministério da Saúde, contribuindo desta forma para diminuição da letalidade por esta doença. 
 APLICABILIDADE AO SUS:
Para o tratamento da leishmaniose visceral os antimoniais pentavalentes -antimoniato N-metil glucamina, vem sendo utilizado por mais de 60 anos, sendo que no Brasil é a droga de primeira escolha. Porém como esta droga é muito tóxica, sua utilização deve ser criteriosamente recomendada e acompanhada. Em nosso meio, algumas questões precisam ser aprofundadas, tais como a resistência aos antimoniais, presença de co-morbidades, as respostas ao tratamento com formulações lipossomais, acompanhamento de cura clínica até um ano após tratamento e estudos para a introdução de drogas mais toleradas e eficazes, considerando os diversos segmentos populacionais. Desta forma este estudo poderá gerar conhecimentos importantes acerca do tratamento desta doença, em uma área recente de autoctonia, que agregados aos serviços de saúde locais poderá contribuir com a melhora na qualidade de vida dos pacientes. Além disso, os estudos farmacoepidemiológicos podem oferecer subsídios para a otimização dos recursos pelos serviços de saúde, por meio do uso racional de medicamentos, além de favorecer a implantação de medidas que melhorem a qualidade dos serviços prestados à sociedade. 
 OBJETIVO:
''Geral Avaliar o uso de medicamentos em casos tratados de Leishmaniose visceral. Específicos Traçar o perfil sócio demográfico dos pacientes com Leishmaniose visceral. Avaliar o uso de medicamentos em casos de Leishmaniose visceral conforme as normas e condutas estabelecidas pelo Ministério da Saúde. Avaliar o uso de medicamentos Leishmaniose visceral e co-morbidades. Avaliar o acompanhamento clínico e laboratorial do paciente com Leishmaniose visceral tratado. '' 
 METODOLOGIA:
''O estudo foi realizado em Campo Grande/MS, que constitui uma referência para diagnóstico e tratamento de Leishmaniose visceral no estado. Foi realizado estudo epidemiológico do tipo corte transversal, retrospectivo. As fontes de informação para a pesquisa foram o prontuário do paciente com diagnóstico clínico-laboratorial de Leishmaniose visceral, no período de 2002 a outubro de 2005, e as fichas de notificação do SINAN, processadas pelo serviço de vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande (SESAU), dos respectivos pacientes. As variáveis estudadas foram o tipo de medicamento utilizado, dose, via de administração, tempo de tratamento, principais efeitos colaterais ao tratamento, concordância da prescrição com as normas e condutas estabelecidas, desfecho do caso, diagnósticos (co-morbidades-cid 10), sexo, idade, escolaridade, local de moradia e conhecimento de outros casos de LV na família ou circunvizinhança, tempo entre o início dos sintomas (quais) e início do tratamento, exames complementares e acompanhamento clínico do paciente tratado no 3º, 6º e 12º meses após alta clínica. Para a coleta de dados foi construído um questionário. Para a avaliação da qualidade das prescrições os parâmetros foram aqueles estabelecidos pelo Ministério da Saúde nos manuais de normas e condutas de uso dos medicamentos para Leishmaniose visceral. Para o processamento e análise dos dados foi utilizado o software EPI2002/OMS e o GraphPad Prism 5.0. Inicialmente foi realizada análise univariada, com descrição da distribuição das variáveis na população estudada e posteriormente análise bivariada das variáveis, com utilização do teste de quiquadrado, que permite comparar proporções, no nível de significância de 95%. Outra medida que este tipo de estudo permite é a Relação de Prevalência (RP) e diferença, a diferença de prevalência. O estudo foi submetido ao comitê de ética da UFMS.'' 
 RESULTADOS ENCONTRADOS:
Dos pacientes tratados, 74,7% eram do gênero masculino e 25,3% do gênero feminino. A idade variou de 13 a 75 anos, com média de 37,2 anos e mediana de 36 anos. Evoluíram para alta 81,6% dos pacientes e 18,4% foram a óbito. Observando-se, portanto uma letalidade de 18,4%. Apresentaram algum tipo de co-morbidade 28,9% dos pacientes. Dentre os 14 óbitos encontrados, 78,6% apresentaram co-morbidades. As drogas de primeira escolha para o tratamento foram Glucantime® (88,2%), Anfotericina B comum (7,9%) e Anfotericina B Lipossomal (3,9%). Entre os 15 pacientes com co-morbidades e início dos sintomas tardio (> 56 dias) a letalidade foi de 22,9%. A letalidade estratificada por medicamento foi de 78,6% para Glucantime® e 21,4% para Anfotericina B comum. Na análise de sobrevida foi observada diferença estatisticamente significativa em pacientes com co-morbidades (p < 0,0001) e em relação ao tipo de droga de primeira escolha em pacientes com co-morbidade (p= 0,0009). Observou-se uma tendência maior de sobrevida para pacientes do sexo feminino e, para pacientes que fizeram uso de Anfotericina B comum e lipossomal em relação ao Glucantime®. O mesmo não foi observado para início dos sintomas < ou = 56 dias. A co-morbidade mostrou-se como único fator significante na análise de sobrevida.  
 PRODUÇÕES CIÊNTIFICAS:
''Eventos Nacionais 1. ESCALDA, P.M.F.; MONREAL, M.T.F.D.; SILVEIRA, D.L.; PEREIRA, G.L.; UEHARA, P.; DOMINGUES, E.A.M. Avaliação do uso de medicamentos em casos de Leishmaniose visceral, HU-UFMS, Campo Grande/MS, 2002-2005. In: II Congresso Brasileiro Sobre o Uso Racional de Medicamentos. Florianópolis-SC; 2007. 2. SILVEIRA, D.L.; ESCALDA, P.M.F.; MONREAL, M.T.F.D. Características clínicas e epidemiológicas da Leishmaniose visceral em área de recente expansão da doença, Campo Grande/MS, 2002-2005. In: V Simpósio de Pesquisa e Iniciação Científica  UNIVALE. Governador Valadares-MG; 2007. 3. SILVEIRA, D.L.; ESCALDA, P.M.F.; MONREAL, M.T.F.D.; ALVARENGA, D.G.; PEREIRA, G.L.; UEHARA, P.M.; MEDEIROS, T.M. & DOMINGUES, E.A.M. Uso de medicamentos em casos de Leishmaniose visceral: uma abordagem farmacoepidemiológica, Campo Grande/MS, 2002-2005. In: V Simpósio de Pesquisa e Iniciação Científica  UNIVALE. Governador Valadares-MG; 2007. 4. ESCALDA, P.M.F.; ALVARENGA, D.G.; COSTA, A.S. & MONREAL, M.T.F.D. Leishmaniose visceral: uso de medicamento e análise de sobrevida, Campo Grande-Mato Grosso do Sul, 2002-2005. In: XLV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (MEDTROP2009). Pernambuco, 2009. Aprovado para apresentação. Eventos Internacionais 1. ESCALDA, P.M.F.; ALVARENGA, D.G.; MONREAL, M.T.F.D.; SILVEIRA, D.L.; PEREIRA, G.L.; UEHARA, P.; MEDEIROS, T.M.; DOMINGUES, E.A.M. Avaliação do uso de medicamentos em pacientes adultos portadores de Leishmaniose visceral com co-morbidade e evolução clínica. In: XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia. Porto Alegre-RS; 2008. FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Orientação de Iniciação Científica 1. Danilo Lopes Silveira. Avaliação do uso de medicamentos em casos de Leishmaniose visceral: uma abordagem farmacoepidemiológica, Campo Grande/MS. 2007. Universidade do Vale do Rio Doce. Orientador: Patrícia Maria Fonseca Escalda. Orientação de Pós-graduação 1. Em nível de Mestrado Daniel Gomes de Alvarenga. Avaliação do Uso de Medicamentos em caso de Leishmaniose visceral: uma abordagem farmacoepidemiológica, Campo Grande/MS. 2006. Mestrado em Ciências Biológicas. Universidade Vale do Rio Doce. Orientador: Patrícia Maria Fonseca Escalda. '' 
 PATENTE: Não    
 FORMAÇÃO DE MESTRE:   1    FORMAÇÃO DE DOUTORES:   - Vazio -
 RECOMENDAÇÃO PARA O SUS:
''O Mato Grosso do Sul, tem apresentado nos últimos anos números crescentes de casos de LV, ocupando no Brasil o 7º lugar em 2004. Por isso é importante conhecer o comportamento da mesma, sua resposta ao tratamento, com base nas normas e condutas estabelecidas pelo Ministério da Saúde, para que se possa adequá-la às reais necessidades da população, respeitando características clínicas, epidemiológicas e ambientais. Os resultados obtidos até permitem algumas análises importantes, como a alta letalidade encontrada (18,4%) e a presença de co-morbidades como fator significante na análise de sobrevida. Desta forma, estudos como este, com baixo custo operacional, devem ser realizados pelas equipes de saúde, como forma de avaliar as condutas clínicas, farmacoterapêuticas e laboratoriais, adequando as mesmas frente a dinâmica do comportamento das doenças sobre as populações. Sobre o Sistema Único de Saúde, este estudo também agrega forte potencial de impacto, pela relevância dos dados apresentados, que pode trazer subsídios para o manejo terapêutico dos pacientes, importantes para o estabelecimento de estratégias de atenção à saúde no que se refere ao diagnóstico precoce, tratamento e acompanhamento clínico do paciente. O impacto econômico e social está vinculado aos resultados da implementação de medidas eficazes de diagnóstico e de tratamento, observando principalmente as condições clínicas dos pacientes, no que diz respeito à presença ou não de co-morbidades.''